DONZELA

Versão 03 – SP

 

1-Dezoito anos de idade

Quando amar eu comecei

Por uma infeliz sorte

Pouco tempo eu gozei.

 

2-Por amar uma menina,

Que era órfã de pai,

Um anjo do céu querido,

Que vivia com sua mãe.

 

3-Como sua mãe não queria

Que a filha amores tivesse,

Amávamos escondidos,

Coisa que ela não soubesse.

 

4-Arminda ficou doente

E era febre amarela,

No prazo de quinze dias

A morte tomou conta dela.

 

5-Chegou a mãe à cabeceira.

-Quero pedir um favor,

Não posso dar a alma a Deus,

Sem despedir do meu amor

6-A mãe então perguntou

Aonde ele morava,

Ela de tudo contou,

Até como se chamava.

 

7-A mãe mandou uma criada

Em casa, no próprio dia.

Vinde ver a toa amada,

Que está na última agonia.

 

8-Como eu de nada soubesse,

Muito assustado fiquei,

Pus o chapéu na cabeça

E a criada acompanhei.

 

9-Segurou a mão com a minha,

Nem mais um suspiro deu,

Virou o rosto doutro lado,

Fechou os olhos e morreu.